Vroomm

Vroomm...



Selecione uma página...

Raikkonen mostra como se faz


4

Valeu a pena ter acordado tão cedo para ver o GP da Austrália, disputado no Albert Park da cidade de Melbourne, com nuvens negras no céu a ameaçarem dificultar a vidas aos pilotos e equipas nas boxes,   mas vamos ao que interessa, a competição.

A prova começou com apenas 21 pilotos, Nico Hulkenberg não iria participar devido a problemas no sistema de combustivel no seu Sauber-Ferrari.

Foi uma largada limpa com Vettel a tirar o máximo partido da pole e ao fim da 1ª volta tinha 2 s. de vantagem sobre os 2 Ferraris ( Massa e Alonso ) que fizeram ambos muito bons arranques. Quem arrancou mal foi Webber que de 2º à partida iria passar no final da 1ª volta em 6º.

As 1ªs paragens vieram cedo, os super soft da Pirelli mostraram porque é que são super softs, e à 7 volta Vettel troca os seus pneus numa altura em que os Ferraris e lotus de Raikkonen, que com um ritmo superior,  já lhe enchiam os retrovisores.   Os Ferraris, Lotus e outras equipas,  nas voltas seguintes,  seguiram a mesma estratégia de forma a não deixarem fugir o Red BUll.  Hamilton no seu Mercedes aguentou os seus super softs até à volta 13.  Quando o pó das 1ªs paragens assentou eis que temos Adran Sutil na frente, este tinha arrancado com os médios da Pirelli e só os iria trocar por outros médios  na volta 21.

Nesta altura tínhamos uma prova plena de emoção, Vettel estava na frente com Massa,  Alonso e Raikkonen a morderem-lhe ocalcanhares.

Eis que Alonso farto de estar atrás do seu colega de equipa decide trocar de pneus médios por outros do mesmo composto pela 2ª vez,  esta estratégia valeu-lhe ficar à frente de Sutil, Vettel e Massa quando estes fizeram as suas trocas de pneus e voltaram à pista. Quem decidiu afastar-se desta estratégia de 3 paragens foi   Raikkonen ( provavelmente a sua equipa tinha delineado apenas 2 )  que ficou em pista.

2

Começava, então, a perseguição ao Kimi encabeçada por Alonso que tinha ultrapassado Vettel, Massa e Sutil com a estratégia de paragens na box mais cedo. Massa tenta a mesma estratégia a 22 voltas do fim ao Vettel mas não conseguiu ficando a conhecer perfeitamente a traseira do Red Bull ( devia ter levado uma máquina fotográfica para as dar aos  seus engenheiros e etes aprenderem alguma coisa sobre os segredos do Red Bull ), mas antes do Massa trocar de pneus Raikkonen  troca os seus com 24 voltas ainda por cumprir, era a sua 2º paragem e última, era ele capaz de levar o Lotus até ao fim na 1º  posição ??

Alonso, com 19 voltas apenas para o fim do GP, muda de pneus, este tinha agora pneus 5 voltas mais frescos que Kimi, a perseguição começava e apesar de ter estado a apenas 4 s. deste e de algumas dificuldades em ultrapassar retardados ( coisas do oficio ) a verdade é que Raikkonen e o seu Lotus mostraram ser uns verdadeiros mestres na arte da poupança de pneus enquanto andando bastante depressa ( Kimi fez a volta mais rápida da corrida na penúltima volta ) daí a vitória ter sido até nem muito dificil como disse o Raikkonen à imprensa após a conclusão do GP.

Portanto, Raikkonen vence, Alonso corta a meta em 2º, Vettel em 3º.  Massa acaba em 4º depois de no stint final não ter conseguido aguentar o ritmo do alemão.  Hamilton corta a meta num distante 5º com Webber em 6º a morder-lhe os calcanhares.  Sutil, que fez a sua última paragem a 12 voltas do fim estreando os super softs na prova, em vez de ser super rápido foi “super lento” acabando por perder 2 posições em pista para Hamilton e Webber, de qualquer das formas uma corrida bastante interessante deste alemão que esteve de férias durante o ano passado.  Em 8º cortou a meta o seu colega de equipa, Paul di Resta, em 9º Jenson Button e em 10ª Romain Grojean.  Estes 2 últimos fizeram uma prova bastante discreta, se do Jenson até já se poderia estar à espera já do Grojean é de admirar afinal o seu colega de equipa venceu a prova.

Eis os resultados finais:

F1 Results

E foi assim o GP da Austrália ( depende do ponto de vista ), a próxima prova será o GP da Malásia no próximo fim de semana, esta promete não só porque o pelotão parece estar mais compacto entre si como, ainda, temos o factor tempo que de vez em quando prega partidas às equipas,  pilotos e também à própria Fia.

Durante o próxima semana irei escrever mais sobre o GP da Austrália, ou melhor sobre o excelente GP da Austrália.

Sem comentários

Deixe uma resposta